Outro Castelo #67: Engajando na Retrocompatibilidade

OH SIM! Sejam bem vindos as terras longínquas de um Outro Castelo. Hoje, Mateus “Six , Rodrigo Lanzonet e Augusto “Fuca” debatem sobre a importância (ou não) da retrocompatibilidade.

Depois da E3 e de um certo rage de ouvintes com a feira, não citamos um dos fatos que mais deram visibilidade a Microsoft. Sua retrocompatibilidade com o primeiro Xbox. A retrocompabilidade, quando usada desta maneira, é correta? E o que pensar das dezenas de remasterizações e remakes lançados ao longo da vida do console Playstation 4? Shadow of The Colossus será realmente necessário? E o que pensar dos novos Crash Bandicoot e Final Fantasy XII: The Zodiac Age?

E NOS E-MAILS: Lanzonfest e o seriado de Castlevania
DURAÇÃO TOTAL: 1:18:00

LINKS COMENTADOS:

NOS AJUDE ATRAVÉS DOPATREON | PADRIM

SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS:

Deixe seu recado na postagem ou nos envie seu feedback diretamente por e-mail através do nosso FORMULÁRIO ou pelo TWITTER.

ASSINE OS FEEDS PARA TODOS OS PODCASTS:

FEED RSS 2FEED ITUNES 2

Sobre o Autor

Posts Relacionados

  • Leonardo

    Caras, vocês precisam checar mais as informações pra falar de Xbox, visto que ninguém aí entende nada da plataforma, acabam propagando equívocos grandiosos por aí, vamos lá:

    A pesquisa feita pela ARS Technica, que apontava que cerca de 1,5% dos usuários de Xbox One jogavam jogos de 360 está ERRADA, algumas horas depois de sair a pesquisa, Mike Nichols, CMO do Xbox, falou no Twitter que cerca de 50% dos usuários de Xbox One jogam games de 360, e que já passou de 508 milhões de horas jogadas desde que a retro ficou disponível.

    Alguns dias depois, a ARS Technica mesmo divulgou uma errata, falando que usaram de dados ilegais, invadindo uma porção irrelevante de servidores da MS para montar aquele “famoso” gráfico que circulou por aí fazendo todo Sonysta molhar a tanga de alegria quando mostrava os míseros 1,5% que jogava na retro.

    Sobre ter retrocompatibilidade: ter opções NUNCA é demais, para quem nunca jogou um game, não existe jogo velho, e ainda por cima, os jogos do 360, em sua grande maioria, rodam melhores no Xone, principalmente aqueles que tem resolução e FPS destravados, como a própria trilogia Bioshock, que roda 60 FPS na retro, fora que ainda tem opção de comprar o remaster, para quem interessar. Sem falar que usufrui dos screenshots e video records do console, se tivesse retro no PS4, também poderia ter esse monte de vantagem.

    Fuca, FF Type Zero também saiu pro Xone.

    Post original do tal 1,5%:
    https://arstechnica.com/gaming/2017/06/backward-compatible-xbox-360-games-are-less-than-2-of-xbox-one-usage-time/

    Correção:
    https://arstechnica.com/gaming/2017/06/correction-undercounted-usage-data-in-our-xbox-unleashed-analysis/

    Algumas outras informações sobre o assunto:
    https://www.xboxpower.com.br/2017/06/08/microsoft-se-posiciona-sobre-polemica-da-retrocompatibilidade/

    Besos

    • mateuskies

      “Caras, vocês precisam checar mais as informações pra falar de Xbox, visto que ninguém aí entende nada da plataforma, acabam propagando equívocos grandiosos por aí, vamos lá:”

      isso foi a mídia que passou , eu só repassei, mas nao sabia do erro, hahaha Obrigado

      Mas Leo, recebo todos os dias emails da MS Brasil e dos PRs da mesma, acredito estar mais por dentro do que você CARTEIRADA

      absss

      • Leonardo

        Definitivamente é só te ver falar 2 minutos de Xbox que fica claro que não ta tão por dentro como tu pensa hahahahaha

        Mas enfim, não leve a mal, meu segundo Sonynho preferido (o primeiro é o Lansony) ♥

        • mateuskies

          hahahaha CARTEIRADA

          eu fico triste, eu gostaria de ter retro, não sei se ficou claro. A PIOR coisa do mundo é o cara ligar mais um console/PC/EMULADOR pra jogar algo que JÁ poderia ter no console atual. E o PSX sempre foi cheio de lutinhas e….bá seilá, viu. Queria que isso pegasse mais.

          • Leonardo

            Eu mesmo tenho preguiça (e agonia) de deixar um monte de console instalado, com um monte de fio, pra jogar alguma coisa hora ou outra, agora, quando roda no XOne, que já tenho ali meus amigos online pra bater papo, controle melhor, e tudo prontinho só pra iniciar, isso me anima a jogar jogos antigos.

            Cara, ia ser foda se a Sony também adotasse a postura de rodar tudo daqui pra frente nos próximos consoles, acho que com o ps3 não vai rolar mesmo, mas com ps5 acho que isso vai tornar realidade, pelo menos com os jogos de ps4.

            Queria jogar uns jogos na PsNow, mas essa porra não ta disponível no BR ainda, quando entrar, vou assinar pra testar e jogar uns exclusivos do play que nunca joguei, por mais que eu não tenha pc pra jogos (e nem queira ter) como é por streaming facilita o acesso, e pode rodar até mesmo direto pela minha tv, seria muito bom.

          • Eu acredito que seja a tendência manter a biblioteca atual. Os consoles estão muito parecidos com os PCs hoje em dia. Além disso, esses consoles premium, como o PS4 Pro e Xbox One X possuem hardware retrocompativel, apenas com a adição de novos recursos. Eu imagino que os consoles futuros serão mais disso. Não sei a Sony, mas pelo menos a MS eu acredito que irá sempre manter a compatibilidade, como ela já faz nos PCs, mantendo um monopólio de games com o Windows.

  • Pessoal, teve uns problemas sobre o que é necessário para criar retrocompatibilidade. Especialmente pela parte de que “É só lançar uma atualização de firmware e pronto, agora irá funcionar a retrocompatibilidade”. Primeiro que compararam PC com console. O que pode ser algo aceitável com o Xbox One e PS4, mas que não tem nada a ver com todos os outros consoles da Sony e Nintendo, pela grande diferença de arquitetura.

    Os PC, especialmente o Windows 10 Anniversary Update, trabalham com APIs muito bem definidas e que são retrocompatíveis com drivers de GPUs atuais, sendo que o que não é mais compatível é desviado e processado normalmente na CPU, tudo isso num universo x86. Em outras palavras, vc tem um ambiente controlado e comum pra rodar quase tudo q usa OpenGL e DirectX. Que torna possível rodar nativo tudo q tiver hardware disponível e todo o resto é emulado de modo transparente para o usuário.

    Agora, quando vc vai pra console, fode todo esse padrão. Eu não tenho experiência pra falar do PS3, mas pelo menos do PS1 e PS2, aqueles processadores dos infernos e memórias muito confusas de trabalhar são muito diferentes do que temos hoje em dia em termos hardware. Por conta disso, só existem dois modos de rodar jogos de PS1 e PS2 no PS4: criar um emulador que funcione na nova arquitetura; recompilar tudo pra nova arquitetura (só que eu imagino que isso seja bem complicado, considerando o quanto q é diferente o acesso às memórias do PS1/PS2).

    Esses mesmos problemas a gente tb tem com os jogos da Nintendo. Eu só sei falar do DS e 3DS nesse caso, mas serve como exemplo. O 3DS, tanto o antigo quanto o New, possuem dois processadores. Um é o ARM11 para jogos de 3DS e o outro é o ARM9 para jogos de DS. Quando vc coloca um jogo de DS no console, tudo no sistema é desligado e a tela e controles passam a ser associados ao processador do DS. Tanto que eu nem consigo acessar parte nenhuma do ARM9 pelo ARM11. Deve ter alguma gambiarra pra ligar a força, mas o importante é dizer que não existe comunicação direta entre esses processadores.

    Ou seja, no mundo dos consoles, especialmente os mais antigos, os jogos dependem muito dos detalhes de hardware de cada plataforma. Isso exige processador e memórias específicas para trabalhar corretamente. Por isso q tivemos o PS2 Fat com processador de PS1; DS com processador de GBA; 3DS com processador de DS… Enfim, vcs entenderam.

    Concluindo, não é algo simples criar retrocompatibilidade. Especialmente para jogos que usam muitas particularidades dos hardwares para extrair o máximo de desempenho, como Red Dead Redemption ou Uncharted. Mas ai a explicação já fica técnica demais.

    Parabéns pelo cast, de qualquer modo. Tirando essa parte mais técnica, eu gostei bastante. A discussão disso é bem conveniente considerando esse monte de remasters q já saíram ou foram anunciados. E ah, eu só não falei do Xbox pq eu não conheço o hardware de nenhum deles, mas acho que eles devam recompilar os jogos com algumas modificações e adaptado ao novo hardware, já que ele sempre baixa o jogo da Xbox Live, mesmo q vc insira uma mídia física.

    Abraço.

  • Só um adendo. Acho que tudo nessa discussão ai que vcs querem é um emulador embutido no firmware. Isso não é perfeito, como qualquer outro emulador, mas já quebraria um galho.

    Um exemplo disso é o Virtual Console do SNES e GB/GBC/GBA do 3DS. O firmware foi atualizado pela Nintendo com umas bibliotecas a mais e ela criou um pacote com os dumps originais dos jogos (que vc compra na eShop). Ai é só pegar uma rom qualquer q vc baixa na internet (ou do seu CD original), colocar nesse pacote, criptografar e jogar.
    Isso é bem mais difícil do que parece e não deverá suportar todos os jogos, além de deixar todos os jogos mais pesados (por exemplo o SNES só roda no New Nintendo 3DS/2DS).

    Ou seja, daria pra jogar PS1 e PS2 no PS4 de vocês, mas jogos de PS3 dificilmente rodariam numa taxa de FPS adequada no PS4.
    Eu lembro que a Sony fez a mesma coisa com o PSP pra rodar jogos de PS1. Eu to com preguiça de pesquisar agora, mas imagino que fosse emulação tbm. Não era perfeito, mas dava pra trocar os dumps e rodar os jogos de PS1 de boa no PSP.

  • Darley Santos

    A retrocompatibilidade é uma grande vantagem da Microsoft sobre a Sony, e que baita vantagem! Vejo essa série de remasterizações e remakes para o PS4 como algo sintomático… Esses jogos não teriam que ter tido uma sobrevida maior na plataforma de origem? Fica parecendo que os consoles da última geração estão em plena crise de identidade (ainda mais com essas ultramegapower versões apressadas dos consoles atuais, PS4 Pro e Xbox One X) e entraram em “modo retrô”, sugando do passado o tanto que dá pra só então tentar prosseguir adiante… Mas gosto da ideia de que um console contenha “toda” a biblioteca de seus predecessores, fico a sonhar com uma coisa assim…

    • mateuskies

      Chapa, recebemos um e-mail meio que desmistificando isso, e falando o porque disso realmente existir. MAS eu nao engulo, queriam realmente chegar em casa, ligar meu PS4 e jogar meu SF Alpha de PS1 TRANQUILAMENTE, igual a um usuário de Xbox One

      Estamos com o mesmo sonho hahaha

  • alexseph

    Chapas, excelente cast. Gostaria de comentar alguns pontos:

    * Implementar a retrocompatibilidade de PS3 no PS4 não é tão trivial por um motivo, a arquitetura das plataformas são diferentes. Não sou especialista em hardware, mas um dos pontos que foi bastante aclamado no lançamento do PS4 foi a mudança da arquitetura usada antes no PS3, que era baseado no Cell, para a x86 no PS4. Todos lembram que no início da geração PS3 e 360 os multiplataformas eram bem melhores no 360 (ex: Bayonetta que no PS3 o menu de pausa demorava uns 6 segundos para abrir, ou o Skyrim que o save corrompia, além de problemas de textura em diversos jogos), isso era justamente porque o 360 já usava arquitetura x86, que é algo mais próximo dos PC, facilitando a implementação, quanto que no PS3 o Cell era algo bem complicado de desenvolver. O fato do PS4 agora ser x86 não permite que os jogos de PS3 sejam emulados com facilidade, ao contrário dos jogos de PS2 e PS1 nos classics da vida, que são mais simples. No 360 e XONE isso já se mostra mais simples por serem a mesma arquitetura, isso inclusive permite que os jogos do 1º Xbox seja emulados no XONE, já que o mesmo era um PCsão no final das contas.

    * O grande problema do PSNow nem é a qualidade da nossa internet em si, mas a falta de servidores dedicados no Brasil. Velocidade de internet nem influencia tanto nesse caso, mas sim a latência da rede, o famoso ping que é muito alto pelo fato dos servidores ficaram em outros continentes. Por esse mesmo motivo que em países onde não tem servidores dedicados, mas a qualidade da internet é maior que a do Brasil, o problema de lag do PSNow também é presente.

    * Retrocompatibilidade é algo relativamente “recente”. De cabeça eu lembro:

    – Game Boy Advance com jogos de Game Boy
    – DS com jogos de GBA
    – 3DS com jogos de DS
    – Wii com jogos de GameCube
    – WiiU com jogos de Wii (acho que não roda GameCube, até mesmo porque não tem as entradas dos controles).
    – PS2 com PS1
    – PS3 com PS2 (da mesma região, mas depende do modelo do PS3) e com PS1
    – Vita com PSP e PS1 (só digital no caso em ambos os casos)
    – 360 com 1º Xbox
    – XONE com 360 e futuramente com 1º Xbox

    * A gente reclama do console não ter retrocompatibilidade, mas é importante lembrar que, quando não é emulado, isso reflete em custo de hardware. Todos lembram do 1º modelo de PS3 que custava 600 dólares porque além de uma porrada de porta USB e de cartão de memória, tinha um PS2 físico dentro dele, retirar isso reduziu o preço do console.

    * O Fuca lembrou que o Vita não tem entrada para UMD, mas é porque o UMD é um problema sério para portátil, ler um mídia de disco além de lento consome muito a bateria do portátil, por isso a Sony optou de no Vita usar cartucho no lugar de disco.

    Acho que é isso, excelente cast. Abraço chamas.

  • João Marcos Silva

    Em defesa da Retro do Xbox (2001) no Xbox One eu lhes digo uma coisa, muitos dos jogos do primeiro Xbox também eram do PS2. Vou dizer 10 títulos aqui que já valem a pena, por que a Sony nunca conseguiu fazer direito a emulação do PS2.
    *Silent Hill 2
    *Prince of Persia: Sands of Time
    *GTA
    *Soul Calibur 2
    *Indigo Prophecy
    *Burnout 3
    *Max Payne
    *Splinter Cell
    *Onimusha
    *The Warriors
    dentre outros e olha que nem falei dos exclusivos como Ninja Gaiden, Jade Empire e Star Wars.

    • mateuskies

      Pois é, tem MUITO JOGO BOM.. Também fico do lado desse retro olhando dessa forma e caralho, como havia esquecido que Burnout 3 é meu jogo favorito dessa época <3